jusbrasil.com.br
17 de Agosto de 2019
2º Grau

Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região TRT-6 - Recurso Ordinário : RO 00001862520125060191 - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TRT-6_RO_00001862520125060191_8d85e.rtf
DOWNLOAD
Consulta de Acórdãos - Inteiro teor PROC. Nº TRT - 0000186-25.2012.5.06.0191

Órgão Julgador:2ª Turma

Relatora:Desembargadora Maria Helena Guedes S. de P. Maciel

Recorrente :ESTALEIRO ATLÂNTICO SUL LTDA.

Recorrido:ELIEL DOMINGOS LINS

Advogados:Shirlei de Medeiros Gimenes e Isabel Cristina Santos de Oliveira

Procedência:1ª Vara do Trabalho de Ipojuca/PE

EMENTA:HORAS EXTRAS E REPERCUSSÕES. Refuta-se a tese da recorrente, eis que evidente a ausência de pagamento dos minutos antecedentes e posteriores à jornada porque, de fato, não eram registrados como extra.

Vistos etc.

Recurso ordinário interposto por ESTALEIRO ATLÂNTICO SUL LTDA., contra decisão proferida pelo MM. Juízo da 1ª Vara do Trabalho de Ipojuca/PE, que julgou procedentes, em parte, os pedidos formulados na reclamação trabalhista ajuizada por ELIEL DOMINGOS LINS., ora recorrido.

Em suas razões (fls. 138/140), insurge-se a recorrente contra a condenação em horas extras e repercussões relativamente a alegada ausência do cômputo de minutos residuais anteriores e posteriores aos horários contratuais de entrada e saída, e fundamenta que o julgado não cotejou a quitação das horas extras consoante a prova documental, visto que não foi observada a data do fechamento dos controles de ponto, sendo assim, indevidos tais títulos.

Contrarrazões ofertadas pelo reclamante às fls. 145.

Desnecessária a remessa dos autos à Procuradoria Regional do Trabalho, porquanto não se vislumbra interesse público no presente litígio (artigo 49, Regimento Interno deste Tribunal).

É o relatório.

VOTO:

Das horas extras e repercussões.

A reclamada insurge-se contra a condenação em horas extras e repercussões alegando a devida quitação, visto que o julgado não observou a data do fechamento dos controles de ponto na aferição da contraprestação.

O reclamante, por sua vez, pede pela manutenção do julgado de primeira instância, visto que os controles de ponto foram devidamente impugnados, não merecendo qualquer reforma ou modificação a r. sentença.

Ao sentenciar, o MMº juízo de primeiro grau deslindou a questão judiciosamente, o qual peço vênia para transcrever:

1. Por ocasião de seu depoimento pessoal, o autor confirmou que quando encerrava a jornada por volta das 19:30h/21:00h registrava corretamente a saída; que o mesmo ocorria em relação ao labor aos sábados; que recebia horas extras a 60% e 100% conforme contracheques acostados aos autos”.

Em razão disso, têm-se por válidos os registros da jornada consignados nos controles de ponto da reclamada (fls. 59/68), que, portanto, consignam a jornada extraordinária realizada, até mesmo aos sábados, quando isso ocorria.

Assim, se o empregador admite...